Polícia Civil apreende documentos relacionados às verbas recebidas pelo Icam e Gemas

A ação policial investiga o suposto desvio de verbas parlamentares por instituições sem fins lucrativos  

93

A Delegacia de Repressão a Crimes de Maior Potencial Contra a Administração Pública (Dracma) deflagrou na tarde dessa quarta-feira, 3, mais uma fase da Operação Ong’s de Papel.

Desta vez, o mandado de busca e apreensão foi cumprido na Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços do Tocantins, em Palmas.

Os alvos foram documentos relacionados às verbas recebidas pelo Instituto Cultural Amigos da Música (Icam) e do Instituto Meio Ambiente e Sociedade (Gemas).

A ação policial investiga o suposto desvio de verbas parlamentares por instituições sem fins lucrativos que têm convênios com o Estado.

De acordo com as investigações da polícia, os contratos estavam sendo feitos no mesmo ‘modus operandi’ evidenciado no Ipros havendo fortes indícios da formação de cartel entre as empresas contratadas.

Os suspeitos estão sendo investigados pelos supostos crimes de peculato-desvio, lavagem de dinheiro, fraude a licitações e organização criminosa.

Caminho do dinheiro

O titular da Dracma, Guilherme Rocha Martins, informou nessa terça-feira, 2, que, até o momento, não foi possível afirmar qualquer envolvimento de parlamentares no desvio de recursos públicos estaduais, contudo, o sigilo bancário dos investigados será quebrado para seguir o caminho do dinheiro.

Questionada sobre o valor desviado, o delegado disse apenas que ainda não há como mensurar o montante exato, mas que o Ipros recebeu aproximadamente R$ 15 milhões de emendas parlamentares entre os anos de 2016, 2017 e 2018.

(Por: Raimunda Costa)

COMENTÁRIOS FACEBOOK