Mais de 30 bens apreendidos pela polícia serão vendidos em um leilão até o final de março no Tocantins

Objetivo da arrematação é reverter o dinheiro arrecadado para União e aos Estados

291
Foto: Divulgação/SSP

Aproximadamente 39 bens apreendidos de criminosos serão vendidos em um leilão que tem previsão para acontecer no até o final de março no Tocantins. O leilão faz parte do Projeto Check In, da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) e consiste no recadastramento dos bens apreendidos em razão da prática do crime de tráfico de drogas e que encontram-se em depósitos e pátios espalhados por todo o País.

O projeto permitirá conferir maior agilidade na venda desses bens por meio de leilões e o intuito é reverter o dinheiro arrecadado para a União e para os Estados. O vice-presidente da Comissão Permanente de Avaliação e Alienação de Bens da Secretaria da Segurança Pública do Tocantins (SSP-TO), delegado Gilberto Augusto Oliveira Silva, esclareceu que um levantamento de todos os veículos apreendidos no Tocantins foi realizado para que o Estado fizesse parte do projeto. “Os dados foram enviados à Senad e até 40% do valor arrecadado no leilão será destinado à SSP como investimento para a pasta” destacou.

Senad
A Senad, unidade do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), integra, juntamente com outros órgãos das esferas Federal, Estadual e Municipal, o Sistema Nacional de Políticas sobre Drogas (Sisnad), instituído pela Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006.

Atualmente, a Senad tem por missão garantir a aplicação da justiça por meio da transformação dos bens apreendidos em razão de crimes em políticas sobre drogas e tem por objetivo promover a ordem jurídica com a gestão de ativos e reduzir a oferta de drogas no País.

Para tanto, atua, especialmente, em dois eixos no âmbito da política sobre drogas: redução da oferta de drogas e combate ao tráfico de drogas e crimes conexos; e gestão dos recursos apreendidos em decorrência de atividades criminosas relacionadas às drogas e crimes conexos.
(Da Redação)

COMENTÁRIOS FACEBOOK