Agrônomo fala sobre a importância dos adjuvantes na aplicação de defensivos agrícolas

Juliano Milhomem Ribeiro ressaltou que eles reduzem alguns dos impactos ambientais causados pelos defensivos agrícolas

77
Foto: Divulgação

Os adjuvantes agrícolas são substâncias ou compostos que em mistura com os defensivos agrícolas conferem a estes aumento da eficácia no combate das pragas, facilidade na aplicação dos produtos e, consequentemente, diminuição dos riscos de perda.

De acordo com o agrônomo Juliano Milhomem Ribeiro, a aplicação de defensivos agrícolas é um processo bastante complexo onde os inúmeros fatores envolvidos podem interferir na eficiência da aplicação. “Uma aplicação mal realizada pode culminar numa série de prejuízos como a baixa eficiência no controle das pragas, quebra dos equipamentos utilizados, danos ambientais, contaminação de lavouras vizinhas, perdas na aplicação de forma geral, e, consequentemente, prejuízos econômicos”, disse.

Confira a íntegra da entrevista do, também, mestre em manejo de pragas e doenças, Juliano Milhomem Ribeiro, sobre adjuvantes agrícolas concedida ao Portal Araguaína Urgente.

Portal Araguaína Urgente: Quais são os tipos dos adjuvantes agrícolas e como são classificados?
Juliano Ribeiro: Inicialmente podemos dividi-los em duas classes: Adjuvantes ativadores e modificadores de calda. Os adjuvantes ativadores são aqueles que conferem aos produtos maiores índices de atividade quando adicionados ao tanque de pulverização:

  • Surfactantes;
  • Óleos vegetais;
  • Óleos minerais;
  • Derivados de silicone; e
  • Fertilizantes nitrogenados.

Já os modificadores de calda são aqueles que alteram as propriedades físicas e químicas da calda. São utilizados para melhorar de alguma forma o processo de aplicação da formulação. Nesta classe estão os adjuvantes:

  • Molhantes;
  • Corantes;
  • Controladores de deriva;
  • Agentes espessantes;
  • Agentes adesivos;
  • Condicionadores de calda;
  • Agentes de compatibilidade;
  • Reguladores de PH;
  • Umectantes;
  • Antiespumantes; e
  • Absorventes de UV.

Portal Araguaína Urgente: Qual a importância deles na aplicação de defensivos agrícolas?
Juliano Ribeiro: A aplicação de defensivos agrícolas é um processo bastante complexo onde os inúmeros fatores envolvidos podem interferir na eficiência da aplicação. Uma aplicação mal realizada pode culminar numa série de prejuízos, como a baixa eficiência no controle das pragas, quebra dos equipamentos utilizados, danos ambientais, contaminação de lavouras vizinhas, perdas na aplicação de forma geral, e consequentemente, prejuízos econômicos.

Portal Araguaína Urgente: Há perda na aplicação?
Juliano Ribeiro: Dentre as principais perdas na aplicação dos defensivos agrícolas, podemos citar a qualidade da água, que representa até 30% de perdas; a formação de espumas, que representa até 20% de perdas; a má homogeneização que representa até 10% de perdas; a deriva, que representa até 45% de perdas; e o escorrimento de calda com até 15% de perdas.

Portal Araguaína Urgente: Qual a função dos adjuvantes?
Juliano Ribeiro: Basicamente a função dos adjuvantes é diminuir perdas durante o processo de aplicação dos defensivos agrícolas e elevar o potencial da atividade deles.

Portal Araguaína Urgente: Como eles podem beneficiar a lavoura?
Juliano Ribeiro: Primeiramente, reduzem alguns dos impactos ambientais causados pelos defensivos agrícolas. Posteriormente, quando falamos em produtos de contato, são importantes, pois conferem maior cobertura foliar e garantem a eficácia do produto. Além disso, reduzem custos posteriores com novas aplicações.

Portal Araguaína Urgente: Os adjuvantes podem receber o mesmo tratamento dos agrotóxicos?
Juliano Ribeiro: Antes, os adjuvantes recebiam o mesmo tratamento dos agrotóxicos quanto ao processo de registro e uso no Brasil, porém, no final do ano de 2017, os atos de nº 104 e 108 emitidos pelo Ministério da Agricultura retiraram os adjuvantes das exigências de registro junto ao MAPA. Assim, os adjuvantes passaram a ter outro tratamento, não necessitando mais da emissão do receituário agronômico para sua aquisição e não sendo mais fiscalizados pelos órgãos estaduais de defesa sanitária vegetal.

Portal Araguaína Urgente: Qual o critério para a escolha deles?
Juliano Ribeiro: São inúmeros os critérios para escolha de um adjuvante. Vai depender da cultura a ser tratada; do alvo biológico e do alvo químico; das características físico-químicas do defensivo a ser utilizado; do tipo de equipamento empregado no processo de aplicação; do estágio fenológico da cultura, dentre outros fatores. No entanto, é bom ressaltar que o produtor rural deve sempre buscar auxílio de um engenheiro agrônomo, o qual poderá indicar o produto adjuvante mais apropriado para as operações de aplicação.

Portal Araguaína Urgente: Quando utilizar adjuvantes?
Juliano Ribeiro: Sempre que houver condições adversas que possam comprometer o sucesso no processo de aplicação ou quando deseja-se otimizar a ação do produto empregado sobre a planta ou alvo desejado. É sempre bom observar os custos dos adjuvantes a serem utilizados para que a relação custo benefício possa valer a pena.

Portal Araguaína Urgente: Qual a diferença entre adjuvantes sintéticos e óleos adjuvantes?
Juliano Ribeiro: Os óleos minerais e vegetais são substâncias que agem dissolvendo as gorduras presentes na cutícula das plantas e de suas membranas celulares. Deste modo, eliminam as barreiras que diminuem a absorção dos agroquímicos e causam o extravasamento do conteúdo das células. Os adjuvantes sintéticos, por sua vez, são produtos que estão em alta no mercado, pois possuem diversas características benéficas desejáveis no processo de aplicação, tais como: antiespumante, umectante, antievaporante, dentre outros. Basicamente a principal diferença entre adjuvantes à base de óleos e os sintéticos é sua efetividade no controle ou não de algumas inconformidades nos tratos culturais, como: absorção, deriva, espalhamento, fitotoxidade, escorrimento, adesividade, homogeneização de calda, emulsificação, proteção contra evaporação e fotodecomposição. Alguns agem melhor em um ou em vários destes quesitos. Outros podem causar danos secundários, como a presença de fitotoxidez e até mesmo a neutralização ou grandes perdas de eficiência do princípio ativo.

Portal Araguaína Urgente: Qual o conselho que o senhor daria aos produtores sobre adjuvantes agrícolas para a proteção de plantas?
Juliano Ribeiro: Meu principal conselho é que busquem orientação de um engenheiro agrônomo para a indicação do adjuvante mais apropriado para a ocasião, pois reduzirá os custos na aplicação, diminuirá as perdas, aumentará a eficiência do produto e minimizará os impactos ambientais.

(Por Raimunda Costa)

COMENTÁRIOS FACEBOOK