Agrônomo do Ruraltins explica como desenvolver o manejo correto das pastagens

O clima da região é um dos pontos importantes que se deve levar em conta para conseguir uma pastagem bem feita

49

A pastagem deve ser bem cuidada, condição importante para o êxito na criação de bovinos. O Portal Araguaína Urgente questionou o engenheiro agrônomo do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), de Formoso do Araguaia, Francismar Rodrigues Gama, como desenvolver o manejo correto das pastagens.

Segundo ele, para se obter resultados satisfatórios em sistemas de produção de leite ou carne, baseados em pastagens, é fundamental não só escolher a espécie forrageira mais adaptada às condições ambientais da sua região, como também manejar corretamente os pastos, montar uma infraestrutura que permita melhor conservação da área, e fazer um planejamento alimentar eficiente.

Entre outros pontos referentes ao tema, o agrônomo foi questionado sobre o que o pecuarista deve fazer para que consiga uma pastagem bem feita. “Escolher a espécie é uma etapa importante e depende do objetivo do sistema de produção, do quanto o produtor pode investir e da mão de obra disponível. O clima da região é outro ponto importante que se deve levar em conta, bem como a qualidade do solo e como será utilizada a forrageira; se é para pastejo, silagem, fenação ou vedação escalonada e, ainda, que categoria animal utilizará o alimento”.

Confira a íntegra da entrevista com o engenheiro agrônomo do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), de Formoso do Araguaia, Francismar Rodrigues Gama, concedida ao Portal Araguaína Urgente sobre pastagem.

Portal Araguaína Urgente: A pastagem deve ser bem cuidada, condição importante para o êxito na criação de bovinos. Como fazer o manejo correto das pastagens?
Francismar Gama: Para se obter resultados satisfatórios em sistemas de produção de leite ou carne, baseados em pastagens, é fundamental não só escolher a espécie forrageira mais adaptada às condições ambientais da sua região, como também manejar corretamente os pastos, montar uma infraestrutura que permita melhor conservação da área, e fazer um planejamento alimentar eficiente. Além disso, a gestão dos recursos forrageiros, bem como o manejo do pastejo, é fundamental para se obter o maior rendimento, não só da planta, como também dos animais, resultando em maior rentabilidade da produção.

Portal Araguaína Urgente: O que consiste o manejo do pastejo?
Francismar Gama: O manejo do pastejo consiste em um conjunto de procedimentos adotados pelo manejador da pastagem para conduzir os animais para colher a forragem que foi produzida e que está disponível. Para executar o manejo do pastejo, pode se adotar vários métodos de pastoreio na propriedade, como:
1 – Lotação contínua: consiste em disponibilizar um piquete por lote de animais;
2 – Lotação alternada: disponibiliza dois piquetes para cada lote de animais;
3 – Lotação rotacionada: a disponibilização é de, no mínimo, três piquetes por lote de animais.

Para cada um desses métodos de pastoreio, pode se trabalhar com taxa de lotação fixa, onde o número de animais sempre será o mesmo ou com taxa de lotação variável, onde o número de animais é variado de acordo com a capacidade de suporte da pastagem.

Portal Araguaína Urgente: Quais as principais pragas das pastagens?
Francismar Gama: As pragas são divididas em grupos, de acordo com o local da vegetação onde concentram seus ataques, que podem ser: nas raízes, nas folhas e nos perfilhos. As pastagens, como qualquer outra cultura cultivada pelo homem, são atacadas por pragas. As pragas que atacam as pastagens são classificadas como ocasionais, tais como: a cochonilha-da-pastagem, a lagarta-dos-capinzais e o percevejo-das-gramíneas; como gerais, são os cupins, as formigas, os gafanhotos, o percevejo-castanho-das-raízes e a larva de besouro escarabeídeo, mas a praga específica da pastagem são as cigarrinhas que atacam pastagens, as que mais causam danos e prejuízos econômicos à atividade de produção animal em pasto.

Portal Araguaína Urgente: Como identificá-las?
Francismar Gama: Cigarrinhas: Ela é capaz de sugar a seiva da planta da fase jovem até a fase adulta, o que ajuda a explicar a preocupação que ela gera nos produtores. Isso faz com que os nutrientes sejam roubados do capim, em vez de serem utilizados no processo de fotossíntese e no crescimento das folhas. Como se não bastasse, a cigarrinha também injeta toxinas na planta, prejudicando ainda mais seu crescimento.
1 – Percevejo: Existem três espécies de percevejos castanhos que são ameaças para o produtor. É preciso considerar que, durante a fase jovem a e fase adulta, eles vivem abaixo do solo, o que pode ser considerado como um problema, já que o seu monitoramento deve seguir uma lógica diferente do das outras pragas. Vale mencionar, também, que os percevejos têm ciclo de vida de cerca de 300 dias e que eles se alimentam ao sugar a seiva das raízes. Para combater sua infestação, é preciso cavar com frequência para monitorar. O melhor momento para fazer isso é o início das chuvas — regra que também se aplica às outras pragas.

2 – Lagartas: As lagartas são pragas ocasionais e suas infestações não duram o ano todo. Ainda assim, é preciso ter bastante atenção a elas, que geralmente aparecem no começo da estação chuvosa e são conhecidas por atacar a folha e não a seiva.

Portal Araguaína Urgente: Em qual período do ano as pragas ocorrem com mais frequência?
Francismar Gama: Geralmente, no período chuvoso para a maioria das pragas. No entanto, os percevejos ocorrem mais na época da seca.

Portal Araguaína Urgente: Quais os danos que elas podem causar?
Francismar Gama: Os danos causados pelas cigarrinhas das pastagens variam entre 10 a 100%. Os adultos são os responsáveis pelos maiores prejuízos. Injetam dois grupos de substâncias: uma se coagula no interior do tecido das folhas, possivelmente desorganizando o transporte da seiva, outro grupo é composto por substâncias solúveis, que se translocam para o ápice das folhas, provocando morte dos tecidos. Em consequência das ações daquelas substâncias aparecem os sintomas típicos do ataque das cigarrinhas nas pastagens, como se fosse uma “queima” pela geada ou o efeito da aplicação de herbicidas dessecantes.

Portal Araguaína Urgente: Quais as consequências do ataque?
Francismar Gama: Como consequência dos ataques ocorre redução na produção de forragem, com consequente redução da capacidade de suporte da pastagem, o que leva à necessidade de o produtor reduzir a taxa de lotação. As toxinas injetadas nas plantas pelas cigarrinhas ainda provocam uma queda do valor nutritivo da forragem por empobrecer sua composição química com menores teores de proteína, fósforo, magnésio, potássio, cálcio e maiores teores de fibra, menor digestibilidade, com consequente redução no desempenho dos animais. A redução nos teores de proteína bruta, extrato etéreo, cálcio, fósforo e zinco podem ser da ordem de 20 a 50%.

Portal Araguaína Urgente: O que o produtor deve fazer para identificar uma praga e qual medida para reduzi-la?
Francismar Gama: Dentro do manejo de pastagens, há um item fundamental: o controle de pragas e plantas invasoras.
As duas principais pragas que afetam as pastagens são:
1 – Cigarrinha da pastagem: A cigarrinha da pastagem tem gerado bastante prejuízos aos pecuaristas de praticamente todo o Brasil. O controle da cigarrinha tem um custo por hectare relativamente baixo, com inseticida químico ou residual. É muito importante que o controle seja feito na primeira fase, que começa junto com o período chuvoso, para evitar perdas maiores. Há também a possibilidade de fazer controle biológico com fungo, que não mata 100% das cigarrinhas, mas deixa o sistema em equilíbrio. Nesse sistema, é necessário fazer aplicação anual do fungo. Começa com uma dose maior no primeiro ano, passando para uma dose menor no segundo ano e, a partir do terceiro ano, estabiliza a quantidade de fungo aplicada.
Pode-se, também, associar as duas medidas nos casos de ataques mais severos.

2 – Lagarta: Já a lagarta é mais comum em pasto intensivo, exceto no caso de capim Panicum, que acabam sofrendo um pouco mais de ataques de lagarta, mesmo em sistemas extensivos. A lagarta é muito fácil de ser controlada com produtos químicos à base de piretroides, que têm um custo baixo. Também pode ser feito controle biológico com fungo, da mesma forma que se faz com a cigarrinha, mas com fungos diferentes.

Portal Araguaína Urgente: Como é feito o controle?
Francismar Gama: Controle de plantas invasoras: Há duas distinções de plantas invasoras. Planta invasora de folha larga: Dentro das plantas invasoras de folhas largas, há folhas moles, que são mais fáceis de serem controladas, e as folhas duras, que são mais resistentes ao herbicida e mais difíceis de controlar. Pode-se fazer roçada, embora tenha uma eficiência muito baixa, sendo mais uma medida paliativa. Todo ano é necessário roçar e as plantas invasoras não serão eliminadas, podendo, inclusive, ficar cada vez mais resistentes aos herbicidas, no caso das folhas duras.

Portal Araguaína Urgente: Qual a forma mais eficaz para o controle?
Francismar Gama: A forma mais eficiente de controle, que tem um custo-benefício muito grande, que em médio a longo prazos praticamente elimina as plantas invasoras, com um custo de manutenção muito baixo, é o uso de herbicida. A aplicação do herbicida foliar geralmente é feita em área total, para diminuir a população de folha dura em 40% a 60%, aplicando, depois, o produto localizado, passando na base do caule ou cortando e aplicando nesse local.
1 – Capins invasores: Já a presença de capins invasores no pasto representa um grande desafio para a fazenda, pois não há herbicidas seletivos que matam o capim invasor sem afetar o pasto. É necessário usar uma série de estratégias diferentes, desde reforma de pastagem, manejo, associação de vários métodos de controle.

Portal Araguaína Urgente: Existe no mercado um melhor produto para combatê-las?
Francismar Gama: Aposte no controle químico e/biológico: Inseticidas químicos ou residuais tendem a ser bons aliados nesse tipo de controle. Pesquise os produtos disponíveis no mercado, planeje-se para o custo, consulte as quantidades e os métodos de aplicação mais adequados e vá a uma loja de produtos agrícolas. Lembre-se de que a utilização de inseticidas em grandes áreas não é uma prática recomendada por especialistas. Os defensivos são especialmente úteis para lidar com focos de infestação elevada. O controle biológico, por sua vez, pode ser feito com fungos, deixando o sistema em equilíbrio. Em ataques mais severos, vale a pena associar as duas medidas (biológica e química).

Portal Araguaína Urgente: Qual a forma correta de descarte de embalagens de agrotóxicos no sistema de pastagem?
Francismar Gama: Para o descarte correto das embalagens de agrotóxicos os seguintes passos devem ser seguidos:
1 – Lave bem as embalagens: É necessário, primeiro, esvaziar completamente as embalagens no tanque do pulverizador. Depois, deve-se adicionar água limpa em até um quarto do volume do frasco, tampe e agite por 30 segundos. Esta água também deve ser jogada no tanque do pulverizador. Repita a operação três vezes. Ela é chamada de tríplice lavagem.

2 – Corte e faça furos para torná-las inutilizáveis: Após passarem pelo processo da tríplice lavagem, todas as embalagens devem ser inutilizadas. Para isso, corte o fundo da embalagem ou faça furos no fundo, atentando para ter a certeza de que ela não terá mais utilidade.

3 – Leve a embalagem a um lugar apropriado: Armazene os frascos lavados e inutilizados em um local adequado e verifique com o revendedor do produto se ele pode recolher as embalagens, ou se você deve levá-las até um local indicado, geralmente um posto de recebimento ou na própria loja, respeitando a exigência de até um ano.

4 – Devolução de recipientes: Todos os recipientes devolvidos – diretamente ou através da revenda – devem seguir para uma central de recebimento. As embalagens passam por um novo tratamento e, de lá, seguem em blocos compactados e prensados para as indústrias recicladoras.

5 – Guarde o comprovante: É muito importante nunca se esquecer de guardar o comprovante de devolução das embalagens. Este documento deve ser apresentado sempre que a fiscalização for até a propriedade, garantindo que o produtor não sofra nenhuma punição.

Portal Araguaína Urgente: O que o pecuarista deve fazer para que consiga uma pastagem bem feita?
Francismar Gama: Escolher a espécie é uma etapa importante e depende do objetivo do sistema de produção, do quanto o produtor pode investir e da mão de obra disponível. O clima da região é outro ponto importante que se deve levar em conta, bem como a qualidade do solo e como será utilizada a forrageira; se é para pastejo, silagem, fenação ou vedação escalonada e, ainda, que categoria animal utilizará o alimento.

Portal Araguaína Urgente: Qual a próxima etapa?
Francismar Gama: Depois de escolher a forrageira vem a etapa do solo que deve ser bem preparado para receber a semente de pastagem. O solo tem que ser protegido contra erosão, a vegetação indesejada deve ser retirada e se fazer uma análise de solo para determinar o uso de corretivos. Deve-se também controlar os insetos e pragas, promover a distribuição do calcário e do fósforo, arar, gradear, distribuir potássio e nitrogênio, fazer uma gradagem niveladora e cuidar da umidade do solo. A semente a ser utilizada deve ser de qualidade – saudável, vigorosa e livre de contaminação por impurezas, nematoides e sementes indesejadas. As sementes devem ser plantadas de três a cinco centímetros de profundidade. Dependendo do caso as sementes podem ser plantadas a lanço, em sulcos ou plantio direto.

Portal Araguaína Urgente: Como é feito a irrigação na pastagem?
Francismar Gama: A maioria dos sistemas de irrigação disponíveis poderia ser utilizada para irrigar espécies forrageiras. Porém, na prática, vários fatores limitam esta generalização, como custos de investimento e operação do sistema, disponibilidade de mão de obra para operação, topografia, solo, clima, espécie forrageira, presença do animal e questão cultural. No Brasil, a maioria dos projetos de irrigação de pastagem está sendo realizada por aspersão, com o uso de pivô central, aspersão em malha e, em menor escala, aspersão convencional com canhão e autopropelido. A técnica de irrigar pastagens possibilita uma melhoria na qualidade da forragem e um aumento significativo na produção de matéria seca por área, com consequente acréscimo na taxa de lotação (UA/ha), proporcionando a obtenção de índices satisfatórios de lucratividade, tornando a atividade altamente competitiva no agronegócio nacional.

(Por Raimunda Costa)

COMENTÁRIOS FACEBOOK