Produtores não devem fazer o uso de maquinários pesados no solo, afirma engenheira agrônoma

Eles também devem evitar revolver o solo expondo a matéria orgânica

101

A mestre em física, pedologia e manejo do solo pela Universidade Federal do Paraná, Michele Ribeiro Ramos, em entrevista concedida ao Portal Araguaína Urgente citou alguns cuidados que os produtores devem ter com o solo.

A também doutora pela Universidade Federal do Paraná disse que os produtores devem respeitar a capacidade de uso, não fazer o uso de maquinários pesados, evitar revolver o solo expondo a matéria orgânica e os microorganismos a altas temperaturas, adotar sistemas de rotação e sucessão e culturas.

Ela, que também ocupa o cargo de professora nas Universidade Estadual do Tocantins e Universidade Luterana do Brasil enfatizou que o produtor deve, acima de tudo, conhecer seu solo em profundidade, o usual 0-20 cm não tem trazido resultados satisfatórios; agricultura séria adota sistemas que promovem o desenvolvimento radicular em maiores profundidades.

Confira a íntegra da entrevista concedida ao Portal Araguaína Urgente, pela MBA em gestão ambiental, Michele Ribeiro Ramos.

Portal Araguaína Urgente: O que é solo, do que ele é formado e qual a sua função?
Michele Ramos: Existem várias definições de solo, contudo, para tentar ser mais amplo, podemos definir o solo como sendo o substrato terrestre que é capaz de sustentar plantas e vegetais sobre si em um ambiente aberto, sendo resultante do intemperismo e da decomposição das rochas, composto por uma fase sólida (areia, silte, argila e matéria orgânica), fase líquida (solução do solo – onde estão todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento das plantas) e uma fase gasosa que nada mais é do que o espaço poroso, o vazio. Afinal, as raízes e microorganismos precisam respirar.

Portal Araguaína Urgente: O que deve ser feito para que o solo se torne mais produtivo?
Michele Ramos: Para que o solo se torne mais produtivo, é necessário primeiramente conhecer a capacidade de uso dele. Por exemplo: um solo pode ter aptidão para pastagem ou silvicultura e não apresentar aptidão para agricultura. Isso vai depender do relevo em que ele se encontra, da textura, profundidade e até mesmo do nível tecnológico do produtor. Desta forma, é necessário conhecer as limitações e as potencialidades dos solos da fazenda para poder designá-lo ao melhor uso. Depois, é importante sempre fazer o uso de sucessão de culturas ou rotação de culturas, sempre que possível para não exaurir o solo. Incrementar os teores de matéria orgânica, deixando, por exemplo, a palhada ou resteva da cultura formando um “cobertor” para proteger o solo da erosão hídrica e eólica e, consequentemente, aumentar os teores de nutrientes (matéria orgânica é fonte de nutrientes para os microorganismos e para as plantas). Um solo vivo é um solo fértil.

Portal Araguaína Urgente: Quais os cuidados que o produtor deve ter com o solo?
Michele Ramos: Bom, respeitar a capacidade de uso, não fazer o uso de maquinários pesados, evitar revolver o solo expondo a matéria orgânica e os microorganismos a altas temperaturas, adotar sistemas de rotação e sucessão e culturas. Realizar periodicamente análise de solo, para que a recomendação da adubação e calagem seja feita de forma adequada. O produtor deve, acima de tudo, conhecer seu solo em profundidade, o usual 0-20 cm não tem trazido resultados satisfatórios; agricultura séria adota sistemas que promovem o desenvolvimento radicular em maiores profundidades. Só desta forma é que vamos bater recordes de produtividade. Dando condições para as plantas se desenvolverem e explorarem o solo.

Portal Araguaína Urgente: O que é um solo degradado?
Michele Ramos: Solos degradados são aqueles que sofreram modificações nas suas propriedades física, química ou biológica, em razão de fatores naturais ou em decorrência da ação antrópica. O solo perde todo seu potencial produtivo, a estrutura é desfeita, tornando-o compactado, o espaço poroso é seriamente diminuído, apresenta baixa ou nenhuma capacidade de retenção de água e nutrientes. Pouco ou nenhum desenvolvimento de plantas e, por consequência, baixas produtividades.

Portal Araguaína Urgente: O produtor conhece quando o solo está degradado?
Michele Ramos: Muitas vezes o produtor não percebe que o solo da fazenda está em estágio de degradação, só vai perceber quando o problema já está sério e oneroso demais para reverter a situação. Por isso, é sempre recomendado que o produtor conheça o solo que está trabalhando, respeite suas limitações e dê a ele o uso adequado, dentro do nível tecnológico possível. Recuperar uma área degradada é irrefutavelmente mais caro do que manejá-lo da maneira correta.

Portal Araguaína Urgente: Quais os fatores que levam à degradação do solo?
Michele Ramos: Inevitavelmente o mal uso. Cada solo tem uma aptidão; é preciso respeitar sua capacidade de uso, dar o manejo adequado, fornecer a tecnologia necessária para que ele possa alcançar as produtividades desejadas. Preservar o solo é fazer o uso e o manejo adequado dele.

Portal Araguaína Urgente: Como o agricultor pode diagnosticar a degradação do solo?
Michele Ramos: Para diagnosticar se o solo está em estágio de degradação, além da redução da produtividade, processos erosivos começam a se formar nas áreas (tipo mais comum erosão laminar e em sulcos), perda significativa de solo que pode ser observado no pé da cerca, surgimento de doenças (solo de baixa fertilidade química, física e biológica as plantas ficam mais susceptíveis a pragas e doenças). Afloramento de raízes, seja de plantas anuais ou perenes, as raízes das plantas começam a ficar expostas, indicando que está tendo perda de solo. O solo não responde mais à adubação realizada. Solo sem matéria orgânica, a camada escura, rica em nutrientes desaparece ou fica de cor pálida. Compactação severa, presença de “pé de grade” (causado pelo uso de implementos, maquinários pesados, tende a formar uma camada compactada abaixo da camada preparada – revolvida; na profundidade de aproximadamente 15 cm o solo está pálido e compacto).

Portal Araguaína Urgente: O que significa húmus e quais os benefícios do húmus para o solo?
Michele Ramos: Existem várias definições para húmus, mas podemos defini-lo como material orgânico inerte, resultado da decomposição microbiana de plantas e animais, composto aproximadamente de 60% de carbono, 6% de nitrogênio, fósforo, enxofre, etc. É fonte de energia para os organismos (fungos, bactérias, anelídeos, etc). O que é conhecido como húmus de minhoca nada mais é que seu excremento, também chamado de Coprólito.

Portal Araguaína Urgente: Qual benefícios o húmus traz?
Michele Ramos: São inúmeros, melhorias na fertilidade química, física e biológica do solo. Pois a matéria orgânica diminui a densidade do solo, aumenta a capacidade de armazenamento de água do solo, aumenta a porosidade, consequentemente diminui a compactação e a erosão. É fonte de nutrientes para as plantas, aumenta a capacidade de troca catiônica do solo. É alimento para os organismos dos solos que são responsáveis por melhorar o solo física e quimicamente. São incontáveis benefícios.

Portal Araguaína Urgente: Quais as maneiras de se repor ou adicionar matéria orgânica ao solo?
Michele Ramos: Para repor e/ou aumentar os teores de matéria orgânica no solo é preciso fazer o manejo adequado, rotação de culturas, utilizar espécies com alta relação C/N, ou seja, plantas cujo restos culturais demoram para se decompor. Outra prática que garante muito sucesso é o uso de adubos verdes, trata-se de plantas utilizadas na entressafra com o objetivo de proporcionar ao solo proteção contra erosão (pela biomassa vegetal), melhoria na fertilidade química, física e biológica do solo. A escolha da espécie certa promove a descompactação do solo, fixação de nitrogênio e fósforo devido às interações das raízes com os microorganismos. Não revolver o solo, o revolvimento promove a perda da matéria orgânica. Entre outras práticas.

Portal Araguaína Urgente: Qual deve ser a frequência para realizar análise do solo na área de cultivo?
Michele Ramos: A frequência para realizar análise de solo é muito relativa, depende do nível de exploração da propriedade, nível tecnológico do produtor e, claro, da exigência da espécie cultivada. Empresas rurais que cultivam espécies exigentes nutricionalmente e realizam duas safras por ano, recomenda-se fazer todo ano, pois as plantas acabam exaurindo o solo tendo, portanto, a necessidade de repor os nutrientes no solo. O grande problema é que muitos agricultores coletam o solo de maneira errada, seja misturando glebas (áreas) distintas, seja não coletando todas as amostras na mesma profundidade, ou ainda armazenando o solo em sacolas plásticas usadas, com algum resíduo que certamente irá afetar o resultado final. O laboratório que será destinado também deve ser observado. Procure sempre laboratórios certificados que garantam um resultado fiel a realidade.

Portal Araguaína Urgente: O que também deve ser observado?
Michele Ramos: Deve-se observar que os usuais 20 cm não respondem mais às expectativas de produtividade desejada. Devendo, portanto, o produtor abrir uma trincheira, observar um barranco, e conhecer o solo da propriedade em profundidade. Muitas vezes a área apresenta um horizonte impeditivo ao desenvolvimento de raízes, que está a 40 cm de profundidade. E, mesmo que ele disponibilize todo o adubo para a planta, ela não vai responder por que existe uma limitação na profundidade do solo. Esse é um exemplo. Por isso, é tão importante quebrar paradigmas e conhecer o solo verdadeiramente.

Portal Araguaína Urgente: Como os microrganismos do solo afetam as plantações?
Michele Ramos: Bom, na verdade, os microorganismos afetam as plantações na forma de doenças e pragas diminuindo significativamente a produtividade. Muitas dessas doenças são provocadas por organismos presentes no solo (fungos, bactérias, actinomicetos, etc). Contudo, esses mesmos microorganismos são responsáveis por promover, através de interações simbióticas (onde ambos indivíduos se beneficiam), a disponibilização de fósforo e nitrogênio para as plantas, em troca de assimilados produzidos por elas. Portanto, é preciso garantir o equilíbrio da fauna edáfica, para que essas interações sejam benéficas, evitando o desequilíbrio que promoverá o surgimento de doenças nas plantas. Se fizermos uma analogia com as bactérias existentes no nosso organismo, quando não estamos bem alimentados, cansados, com a imunidade baixa, essas bactérias que cumprem um papel tão importante no nosso corpo, por exemplo, na reabsorção de água no intestino grosso, passam a ser maléficas, podendo causar infecção generalizada e nos levar a morte. Tudo é equilíbrio. Precisamos buscar o equilíbrio nos nossos sistemas produtivos.

Portal Araguaína Urgente: Como é feito o manejo do solo para produção de grãos?
Michele Ramos: Essa pergunta é bastante ampla, pois o manejo para produção de grãos requer cuidados não apenas com o solo, mas, por exemplo, respeitar o vazio sanitário, não induzir a quebra de resistência de cultivares, utilizando materiais diferentes nas áreas, além, claro, de promover o incremento da matéria orgânica, fazer o uso de sistemas de integração (integração lavoura, pecuária e floresta), rotação e sucessão de culturas, não fazer o uso de implementos que compactam o solo, evitando preparar o solo quando o mesmo estiver muito úmido ou muito seco. Para altas produtividades, é necessário ficar atento em todos os aspectos citados nas questões anteriores, procurando sempre produzir sem exaurir o solo.
(Por: Raimunda Costa)

COMENTÁRIOS FACEBOOK